Qualidades Do Conteúdo Engajador


Estamos mesmo tratando as redes sociais da forma certa?

Quem não conhece excelentes exemplos de marketing de conteúdo que tem fortalecido marcas e feito com que elas conquistem uma boa imagem? Por outro lado, o número de empresas e campanhas que produzem o efeito inverso ou efeito nenhum ainda é grande.

Conteúdo EngajadorUm dos motivos que leva alguns ao sucesso e outros ao reverso, é a eficácia do conteúdo. O ponto de partida para que um conteúdo faça mais do que informar determina que ele seja atraente, efetivo, conveniente e eficiente. O conteúdo engajador precisa destas características e, por isso, vamos comentar cada uma delas.

 

Atraente

O conteúdo precisa partir de uma proposta de valor; ele deve atender às necessidades que são imediatamente relevantes para o público-alvo e evidenciar a proposta de valor de forma bem clara. Aqueles que são mais experientes em criação de conteúdo tem maior facilidade para elaborar títulos de artigos e slogans publicitários, por exemplo. A ideia é fazer com que todo material produzido (vídeos, folders, artigos, entrevistas) apresente, logo no primeiro contato, a proposta de valor de uma forma que provoque a curiosidade do público e cumpra o papel de motivar as pessoas a tomar uma ação, que pode ser, assistir a entrevista, ler o folder, ver o anúncio etc.

Na atual miríada de informação digital, os conteúdos mais atraentes são simples e suscintos; a proposta de valor é sempre clara, o que varia é a forma e, nesse ponto, o ambiente digital é riquíssimo em opções criativas e atraentes, isso é o suficiente para engajar as pessoas, considerando que o conteúdo em sí já atende a um interesse do público.

 

Efetivo

Uma vez que a proposta de valor está claramente definida, o conteúdo, em seus diferentes formatos, deve entregá-la. Não só isso evita o efeito negativo de decepcionar o público, mas também aumenta a chance de sucesso em compartilhamentos e comentários.

É importante levar em consideração que é possível que seu conteúdo se depare com um leitor cheio de expectativas sobre o assunto. Para evitar frustações e obter um resultado positivo junto ao público, a proposta de valor deve ser a mais a específica possível e o conteúdo deve seguir essa mesma linha. Acima de tudo, uma vez que há uma proposta de valor bem clara, o conteúdo deve desempenhar o papel de entrega-lá com o máximo de precisão. Um conteúdo honesto e limitado àquilo que se propoem fazer. Seus leitores agradecerão!

 

Conveniente

O conteúdo deve ser entregue nos formatos e mídias mais convenientes e apropriados para o público-alvo. Um exemplo bastante simples ocorre quando o conteúdo tem informações complexas e dados exatos, o que pode exigir ilustrações. Considere, por exemplo, uma construtura divulgar um novo empreendimento somente através de um podcast. Imagine o potencial de frustar do público que, provavelmente, espera ver imagens do projeto e poder obter um material descritivo impresso.

O ideal é oferecer o conteúdo nos formatos e mídias relevantes para o público e dar a ele a possibilidade de escolher. Naturalmente, há o fator custo envolvido, o que nos leva diretamente ao último ponto.

 

Eficiente

Elaborar um mapa para a criação do conteúdo considerando os formatos, mídias e outros recursos envolvidos é importante quando se busca a máxima eficiência do investimento. Um exemplo prático: gravar uma entrevista com um especialista em determinado assunto tendo em mente, mesmo antes da gravação, que o material gerado na entrevista será veiculado em rádio, disponibilizado em podcast e uma parte dele será tratada para uso em um vídeo institucional em forma de depoimento. Esses desdobramentos devem estar previstos no mapa do conteúdo e, por isso, ele é tão importante; ele permite capitalizar economias de escala e garante consistência no conteúdo.

Para tudo isso, o pulo do gato é o planejamento. Depois de ter a proposta de valor, é importante elaborar o mapa do conteúdo, fazer o planejamento e nele definir os assuntos, formatos, mídias e pessoas envolvidas.  Para que o conteúdo de uma empresa engaje seguidores e comunidades nas redes sociais é preciso que ele seja concebido dentro do conceito valor/diálogo/comunidade. Para isso, considere os seguintes pontos:

  • Foco naquilo que é prioridade para a audiência. Não é produto ou serviço, esses são focos da empresa. Em geral são os atributos de valor que são a prioridade para a audiência.
  • A linguagem e narrativa precisam dialogar com as pessoas.
  • Ouvir de forma ativa. Oque, em outras palavras, significa incluir perguntas propor reflexões e responder sempre.
  • Crie um “persona” para que você consiga ter uma imagem modelo do perfil do seu público.
  • Crie conexão emocional! Isso pode ser conseguido através do diálogo autêntico.
  • Use redes sociais diferentes. As pessoas gostam de variar.
  • Adote um estilo positivo propositivo e evite jargões vazios ou démodé.
  • Garanta que sua abordagem é humana. Em redes sociais é muito ruim receber respostas padronizadas ou automáticas. Lembra daquelas mensagens fonadas “Sua ligação é muito importante para nós….” Blá blá blá. Quem fica satisfeito ao receber isso como resposta automática em uma rede social?
  • Narrativa é rei! Conte uma história
Artigo escrito por Léliam Raña. Léliam é especialista em Publicidade e Mercados pela USP e atua em consultoria de marketing na gestão de redes sociais para empresas. Em seu perfil nas redes (Facebook, Instagram e Twitter), ajuda empreendedores a criar o próprio conteúdo de forma profissional como meio para valorização dos negócios. Adepta da economia colaborativa, acredita no poder das redes para gerar valor para empreendedores e negócios responsáveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *